Topo

Construíram uma réplica do Aérolithe, origem dos quatro Bugatti 57 Atlantic

Rodrigo Mora

03/08/2019 07h00

(Imagem: Guild of Automotive Restorers/divulgação)

(SÃO PAULO) – Já contei a história do Bugatti 57 Atlantic aqui, mas quando alguém constrói uma réplica do Aérolithe, protótipo que deu origem aos quatro exemplares fabricados de um dos carros mais raros do mundo, vale contar de novo.

No começo dos anos 1930, com a missão de modernizar a gama da marca francesa Jean Bugatti, filho do fundador Ettore, projetou o Type 57. Corria o começo dos anos 1930, e a ideia era simplificar a oferta com um modelo básico que desse origem a parentes. Assim nasceram o Galibier (sedã de quatro portas), o Stelvio (conversível), o Ventoux (sedã de duas portas) e o Atalante (cupê). Quando a produção chegou ao fim, em 1940, cerca de 800 Type 57 haviam sido fabricados.

No meio dessa trajetória do Type 57 surge o conceito Aérolithe, em 1935. Tal era a ousadia de Jean que a carroceria do protótipo era feita em Elektron, um composto aeronáutico muito rígido e leve, porém altamente inflamável se as partes do corpo do carro fossem tradicionalmente soldadas. Daí os 1.200 rebites ao longo do seu corpo, no lugar das convencionais soldas. 

Produzi-lo seria caro demais, então Jean Bugatti resolveu fabricá-lo em alumínio. O sobrenome Atlantic foi uma homenagem a Jean Mermoz, aviador amigo de Jean que morreu ao retornar de uma travessia sobre o oceano Atlântico. O motor tinha 3.257 cc, oito cilindros em linha e rendia assombrosos 200 cavalos de potência na versão sobrealimentada SC. O longo capô embaralhava a noção do tamanho do Type 57 Atlantic, que tinha apenas 3,70 metros de comprimento.

Dos quatro exemplares construídos, apenas três sobreviveram: um pertence ao estilista Ralph Lauren, um está no Mullin Museum, na Califórnia (EUA), e outro fora restaurado após ser destruído por uma colisão contra um trem. Do outro, batizado de "La Voiture Noire" e carro pessoal de Jean Bugatti, ninguém sabe o paradeiro desde o fim dos anos 1940.

Pois o único Aérolithe construído também desaparecera, pouco antes da Segunda Guerra Mundial.

Então a Guild of Automotive Restorers fez uma réplica do Aérolithe, em magnésio. Sem gabaritos do modelo e com apenas nove fotografias como referência, a equipe de restauradores da empresa canadense levou um ano para deixar o carro pronto. O resto, deixo para Jay Leno contar: 

Sobre o autor

Rodrigo não Mora apenas nos Clássicos. Em sua trajetória no jornalismo automotivo, já passou por Auto+, iG, G1, Folha de S. Paulo e A Tarde - sempre em busca do que os carros têm a dizer. Hoje, reúne todos - clássicos e novos - nas páginas das revistas Carbono UOMO e Ahead Mag e no seu Instagram, @moranoscarros.

Sobre o blog

O blog Mora nos Clássicos contará as grandes histórias sobre as pessoas e os carros do universo antigo mobilista. Nesse percurso, visitará museus, eventos e encontros de automóveis antigos - com um pouco de sorte, dirigirá alguns deles também.

Mora nos Clássicos