PUBLICIDADE
Topo

Especialista conta o que você precisa saber antes de comprar um Defender

Rodrigo Mora

27/04/2019 08h00

(SÃO PAULO) – Depois de escolher marca e modelo do seu novo carro antigo – decisão geralmente baseada em parâmetros emocionais e práticos –, você chegou a um Land Rover Defender. E depois da inspeção habitual em itens mecânicos e estéticos, é hora de checar itens específicos do jipe inglês.

Conversamos com Luiz Fraga, mestre em engenharia mecânica e proprietário da The Specialist, oficina especializada em Land Rover, que explicou o que você precisa saber sobre o Defender:

  • Devido à posição em que são montadas, as turbinas dos Defenders com motor 200 Tdi (2,5 litros, 108 cv) e câmbio LT77 não permitem reparo, e precisam ser trocadas totalmente;
  • A luva de conexão entre o câmbio e a caixa de transferência tem problema de lubrificação, causando problemas no eixo principal do câmbio e na entrada da caixa de transferência. A troca da luva por outra sem o sistema de lubrificação não resolve o problema; a luva tem que ser adquirida com o sistema de lubrificação; 
  • As versões 110 e 130 apresentam problema crônico no semi eixo, geralmente aos 200.000 quilômetros. A troca da peça e das flanges resolve o problema;
  • A embreagem dos modelos 200 Tdi é muito pesada, pois não possui o sistema de auxílio presente nos 300 Tdi (2,5 litros, 112 cv);
  • Sistema de correias (em "V") é antigo e requer manutenção constante;
  • Vazamentos na caixa de transferência causam muitos problemas e até mesmo a perda total do conjunto, caso o problema não seja resolvido a tempo ou o óleo abastecido constantemente;
  • Aos 300.000 km, é a turbina do motor que costuma apresentar problema;
  • Atente também para a manutenção da bomba de água, que deve ser checada a cada 20.000 km;
  • Para prolongar a vida útil do motor e da turbina, ligue-o sem acelerar e aguarde pelo menos 30 segundos. Esse mesmo procedimento deve ser feito na hora de desligar o motor, deixando-o em marcha lenta pelo mesmo tempo. Isso irá garantir que a turbina esteja em rotações menores antes de ser cortada a lubrificação nela, que depende do funcionamento do motor;
  • O manual do motor 300 TDI recomenda a troca da correia dentada e todos os seus agregados a cada 50.000 km em regimes árduos (Off Road ou trânsito pesado !!!) ou a cada 100.000 km em regimes normais. Como não fazemos nem um nem outro regime (normalmente), recomendamos a troca de todos estes itens aos 80.000 km;
  • São raros os Defender até 2000 com rodas de liga leve, a maioria deles era equipada com rodas em aço. Importante saber que algumas rodas do Defender em aço são tube type, ou seja, devem ser montadas com com pneus com câmera.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre o autor

Rodrigo não Mora apenas nos Clássicos. Em sua trajetória no jornalismo automotivo, já passou por Auto+, iG, G1, Folha de S. Paulo e A Tarde - sempre em busca do que os carros têm a dizer. Hoje, reúne todos - clássicos e novos - nas páginas das revistas Carbono UOMO e Ahead Mag e no seu Instagram, @moranoscarros.

Sobre o blog

O blog Mora nos Clássicos contará as grandes histórias sobre as pessoas e os carros do universo antigo mobilista. Nesse percurso, visitará museus, eventos e encontros de automóveis antigos - com um pouco de sorte, dirigirá alguns deles também.