Topo

Especialista conta o que você precisa saber antes de comprar um Defender

Rodrigo Mora

27/04/2019 08h00

(SÃO PAULO) – Depois de escolher marca e modelo do seu novo carro antigo – decisão geralmente baseada em parâmetros emocionais e práticos –, você chegou a um Land Rover Defender. E depois da inspeção habitual em itens mecânicos e estéticos, é hora de checar itens específicos do jipe inglês.

Conversamos com Luiz Fraga, mestre em engenharia mecânica e proprietário da The Specialist, oficina especializada em Land Rover, que explicou o que você precisa saber sobre o Defender:

  • Devido à posição em que são montadas, as turbinas dos Defenders com motor 200 Tdi (2,5 litros, 108 cv) e câmbio LT77 não permitem reparo, e precisam ser trocadas totalmente;
  • A luva de conexão entre o câmbio e a caixa de transferência tem problema de lubrificação, causando problemas no eixo principal do câmbio e na entrada da caixa de transferência. A troca da luva por outra sem o sistema de lubrificação não resolve o problema; a luva tem que ser adquirida com o sistema de lubrificação; 
  • As versões 110 e 130 apresentam problema crônico no semi eixo, geralmente aos 200.000 quilômetros. A troca da peça e das flanges resolve o problema;
  • A embreagem dos modelos 200 Tdi é muito pesada, pois não possui o sistema de auxílio presente nos 300 Tdi (2,5 litros, 112 cv);
  • Sistema de correias (em "V") é antigo e requer manutenção constante;
  • Vazamentos na caixa de transferência causam muitos problemas e até mesmo a perda total do conjunto, caso o problema não seja resolvido a tempo ou o óleo abastecido constantemente;
  • Aos 300.000 km, é a turbina do motor que costuma apresentar problema;
  • Atente também para a manutenção da bomba de água, que deve ser checada a cada 20.000 km;
  • Para prolongar a vida útil do motor e da turbina, ligue-o sem acelerar e aguarde pelo menos 30 segundos. Esse mesmo procedimento deve ser feito na hora de desligar o motor, deixando-o em marcha lenta pelo mesmo tempo. Isso irá garantir que a turbina esteja em rotações menores antes de ser cortada a lubrificação nela, que depende do funcionamento do motor;
  • O manual do motor 300 TDI recomenda a troca da correia dentada e todos os seus agregados a cada 50.000 km em regimes árduos (Off Road ou trânsito pesado !!!) ou a cada 100.000 km em regimes normais. Como não fazemos nem um nem outro regime (normalmente), recomendamos a troca de todos estes itens aos 80.000 km;
  • São raros os Defender até 2000 com rodas de liga leve, a maioria deles era equipada com rodas em aço. Importante saber que algumas rodas do Defender em aço são tube type, ou seja, devem ser montadas com com pneus com câmera.

Sobre o autor

Rodrigo não Mora apenas nos Clássicos. Em sua trajetória no jornalismo automotivo, já passou por Auto+, iG, G1, Folha de S. Paulo e A Tarde - sempre em busca do que os carros têm a dizer. Hoje, reúne todos - clássicos e novos - nas páginas das revistas Carbono UOMO e Ahead Mag e no seu Instagram, @moranoscarros.

Sobre o blog

O blog Mora nos Clássicos contará as grandes histórias sobre as pessoas e os carros do universo antigo mobilista. Nesse percurso, visitará museus, eventos e encontros de automóveis antigos - com um pouco de sorte, dirigirá alguns deles também.

Mora nos Clássicos