Topo
Mora nos Clássicos

Mora nos Clássicos

Relembre carros históricos da F-1, que abre temporada com GP da Austrália

Rodrigo Mora

2016-03-20T19:08:00

16/03/2019 08h00

(SÃO PAULO) – Em 2019, a Fórmula 1 chega à septuagésima temporada. Desde 1950, viu carros fantásticos nascerem e morrerem. Aqui, alguns deles:

Desenhado por Colin Chapman e Maurice Philippe, o Lotus 72 mudou o perfil básico dos carros da Fórmula 1 com radiadores montados nas laterais, otimizando a aerodinâmica. Das cinco vitórias de Jochen Rindt na temporada de 1970, quatro foram com o Lotus 72 – mesmo carro que o levou ao acidente fatal, nos treinos para o GP de Monza, em setembro daquele ano. Até o hoje, o alemão naturalizado austríaco é o único campeão póstumo da Fórmula 1. Na sequência viriam os modelos 72B, 72C, 72D, 72E e 72F, esses últimos em 1975. O 72 mais famoso possivelmente é o D, que levou Emerson Fittipaldi ao títulos de 1972, com a lendária pintura da John Player Special.

Toleman-Hart TG184: é o protagonista do GP de Mônaco de 3 de junho de 1984, no qual o então novato Ayrton Senna largou em 13o e chegou em 2o, num desfecho um tanto polêmico.Depois de ultrapassar alguns adversários (entre eles Niki Lauda, na Saint Dévote, por fora) e ver outros abandonarem, Senna certamente pegaria Alain Prost, o ponteiro – a diferença entre ambos diminuía a cada volta. Antes que isso acontecesse, o diretor da prova (o ex-piloto Jacky Ickx) antecipou o fim da corrida, então na 31das 76 voltas. Foi o primeiro carro que Senna guiou no principado; anos depois, o brasileiro se tornaria o "Rei de Mônaco". 

Nas mãos de Nigel Mansell e Ricardo Patrese, o Williams-Renault FW14B ficou conhecido como "carro de outro planeta", tamanha superioridade tecnológica sobre os demais bólidos na temporada de 1992, vencida pelo piloto inglês. Equipado com um 3.5 V10 de 760 cv, tinha transmissão semiautomática, controle de tração e suspensão ativa – recursos que lhe garantiram o status de F-1 mais moderno de todos os tempos até então, mas banidos para a temporada de 1994. Ao todo, teve seis chassis produzidos. 

Equipado com um motor Honda V6 turbo, de 900 cv, o McLaren MP4/4 venceu 15 das 16 provas da temporada de 1988 – sendo Ayrton Senna o vencedor de oito delas, após conquistar nada menos do que 13 pole-positions. Foi com esse carro que Senna venceu seu primeiro título da Fórmula 1. Alain Prost venceu as demais sete provas e foi o vice.

E como não lembrar do Tyrrell P34 "six-wheeler", que estreou na temporada de 1976? Conquistou uma vitória e durou até o fim de 1977. Quanto à Tyrrell, ao todo a equipe inglesa somou dois títulos de pilotos (ambos com Jackie Stewart), um de construtores, 23 vitórias e 77 pódios.

 

Sobre o autor

Rodrigo não Mora apenas nos Clássicos. Em sua trajetória no jornalismo automotivo, já passou por Auto+, iG, G1, Folha de S. Paulo e A Tarde - sempre em busca do que os carros têm a dizer. Hoje, reúne todos - clássicos e novos - nas páginas das revistas Carbono UOMO e Ahead Mag e no seu Instagram, @moranoscarros.

Sobre o blog

O blog Mora nos Clássicos contará as grandes histórias sobre as pessoas e os carros do universo antigo mobilista. Nesse percurso, visitará museus, eventos e encontros de automóveis antigos - com um pouco de sorte, dirigirá alguns deles também.