Topo
Mora nos Clássicos

Mora nos Clássicos

Primeiro carro da Porsche dá boas-vindas ao visitante de museu na Alemanha

Rodrigo Mora

13/06/2018 06h40

(STUTTGART) – É assim que o visitante do Porsche Museum, em Stuttgart (Alemanha), é recebido na exposição que cobre os 70 anos da marca alemã. Se a história da Porsche começa com o 356 número 1, natural que ele também seja o ponto de partida de uma jornada que passa pelo sucessor 911, pelas dezenas de carros de corrida, pelos híbridos (desde o Lohner-Porsche ao Panamera) e acaba no elétrico Mission E, agora rebatizado para Taycan.

Esse modelo prateado com interior vermelho é o carro que Ferry Porsche e sua equipe montaram em Gmünd, na Áustria, onde a empresa se refugiara por conta das complicações da Segunda Guerra Mundial. Com motor central de 1,1 litro e 35 cv, fora dirigido pela primeira vez em fevereiro de 1948. A permissão para circulação concedida pelas autoridades de trânsito austríacas veio em 8 de junho daquele ano, data escolhida como marco inicial da empresa. Imediatamente, o 356 é vendido ao empreendedor suíço Rupprecht von Senger, que na verdade já havia reservado as cinco primeiras unidades do esportivo.

Depois de passar pelas mãos de diversos proprietários, o número um volta para a Porsche, em 1958, já desfigurado. Incrementaram a potência do motor, mexeram nos freios e até uma cara dos 356 posteriores deram ao carro. O primeiro trabalho da Porsche com ele em mãos foi restaurá-lo. O que não impediu a construção de uma réplica (que durante nossa visita não deu as caras no museu) baseada em arquivos e fotos.

Segunda leva do 356 tem motor traseiro; 52 carros foram construídos

A segunda fornada, ainda em Gmünd, é composta por 44 cupês e oito conversíveis, já com o motor – agora capaz de levar o esportivo a incríveis 140 km/h – montado atrás do eixo traseiro.

Em abril de 1950, a Porsche volta para Zuffenhausen, área industrial de Stuttgart onde Ferdinand Porsche abrira, em 1931, seu escritório de design. Esse carro preto foi um presente dos funcionários da empresa para o fundador pelos seus 75 anos. Após sua morte, virou um carro de testes para a fabricante, rodando mais de 400.000 quilômetros.

A produção do 356 segue ali até 1965, dois anos após a estreia do 911, seu sucessor.

Viagem feita a convite da Porsche.

Já produzido na Alemanha, esse modelo foi um presente para Ferdinand Porsche

Sobre o autor

Rodrigo não Mora apenas nos Clássicos. Em sua trajetória no jornalismo automotivo, já passou por Auto+, iG, G1, Folha de S. Paulo e A Tarde - sempre em busca do que os carros têm a dizer. Hoje, reúne todos - clássicos e novos - nas páginas das revistas Carbono UOMO e Ahead Mag e no seu Instagram, @moranoscarros.

Sobre o blog

O blog Mora nos Clássicos contará as grandes histórias sobre as pessoas e os carros do universo antigo mobilista. Nesse percurso, visitará museus, eventos e encontros de automóveis antigos - com um pouco de sorte, dirigirá alguns deles também.